Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Ukai: a pesca tradicional japonesa que utiliza o corvo-marinho

por Mäyjo, em 29.07.14

pesca-4

 

No rio Nagara, no Japão, é praticado um tipo de pesca tradicional com mais de 1.300 anos, o Ukai. Este tipo de pesca recorre ao uso de corvos-marinhos que pescam os peixes, que posteriormente são vendidos pelos mestres pesqueiros.

Os corvos-marinhos que são utilizados nesta pesca ancestral são escolhidos pelos mestres e transportados pelo rio dentro de cestas tradicionais. Uma vez no rio, é atado um cordel ao pescoço do corvo, para impedir que este engula o peixe que pesca.

Os mestres do Ukai do rio Nagara fazem parte da equipa da Agência da Casa Imperial do Japão desde 1890. Oito vezes por ano, seis mestres imperiais pescam para a família imperial nipónica.

Chris McGrath é fotógrafo da Getty Imagens no Japão e tem-se dedicado à documentação deste tipo de pesca milenar. O Guardian publicou agora algumas das suas imagens. Fique a conhecer mais sobre esta técnica de pesca aqui.

 

pesca-2

 

in: GreenSavers

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

Fomos de férias

por Mäyjo, em 25.07.14

Finalmente chegaram as tão ansiadas férias!

É época de descanso, de repor as energias para uma nova jornada. Este ano letivo foi um ano de muito trabalho por aqui.

As coisas andaram um tanto agitadas para conseguir colocar informação regularmente. Espero ter conseguido agradar as expetativas de vocês leitores.

Agradeço a todos pelas visitas, comentários, dicas enviadas, sugestões e até mesmo pelas críticas. Tudo, e digo tudo mesmo, foi muito útil e proveitoso. Espero contar com vocês no ano que vem.

O Geografando não irá ficar parado por muito tempo, podem ficar tranquilos. Vamos ficar apenas algumas semanas sem atualizações ou posts. Provavelmente estaremos de volta lá para o final de agosto.

Até lá, fiquem atentos ao  Facebook pois caso aconteça alguma coisa interessante no mundo da geografia é por lá que as notícias serão divulgadas.

Um grande abraço a todos, boas férias!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 09:15

Férias de verão

por Mäyjo, em 16.07.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:13

Medidas para aumentar a natalidade

por Mäyjo, em 15.07.14

 

Reduzir em 1,5% a taxa de IRS para o primeiro filho e 2% para o segundo filho e seguintes, trabalhar em part-time durante um ano a receber a totalidade do salário e baixar o imposto sobre veículos para famílias com três ou mais filhos. São algumas das medidas do relatório sobre a natalidade encomendado pelo PSD.

O trabalho – cujas conclusões foram apresentadas esta terça-feira, no Porto – foi desenvolvido durante quatro meses por uma comissão com 11 personalidades de várias áreas, coordenada pelo professor universitário Joaquim Azevedo. E faz um diagnóstico preocupante da natalidade em Portugal, propondo várias soluções para resolver o problema.

Portugal tem um dos índices de natalidade mais baixos da Europa. O relatório "Por um Portugal amigo das crianças, das famílias e da natalidade (2015-2035): remover os obstáculos à natalidade desejada" (em PDF) dá conta de um número de nascimentos abaixo das projecções mais negativas – um cenário “insustentável” se não forem tomadas medidas.

Mais filhos, menos impostos 
Reduzir em “1,5% a taxa de IRS para o primeiro filho e 2% para o segundo filho e seguintes”, em todos os escalões de rendimentos, e alterar a forma de apuramento das deduções à colecta de IRS, tendo em conta as despesas suportadas por cada membro do agregado familiar, são algumas das propostas.

A comissão defende que as despesas de educação e de saúde suportadas pelos avós possam ser deduzidas no IRS.

Propõe-se ainda que o IMI sofra alterações para “permitir aos municípios reduzir a taxa que é aplicada anualmente, tendo em conta o agregado familiar”.

Reduzir o imposto sobre veículos para famílias com três ou mais filhos faz ainda parte das medidas apresentadas, um projecto também apresentado pelo PSD na Assembleia da República, em Outubro do ano passado.

Estas medidas terão impacto necessariamente orçamental, mas a comissão não o quantifica. Fazer essas contas, diz o documento, está “nas mãos dos serviços do Estado” e é uma tarefa para os governos que quiserem aplicar as ideias sugeridas.

“Os governos legítimos deverão estimar esses impactos e o gradualismo com que pretendem aplicar as medidas”, lê-se.

Mais tempo para a família
Um dos pontos essenciais apontados pela comissão para a promoção da natalidade é a capacidade de “conciliar o trabalho com a família”.

Como? Permitindo à mãe trabalhar em “part-time” durante um ano e receber a totalidade do salário, 50% pela empresa e 50% a cargo do Estado. O valor que a empresa deixa de pagar à mãe passaria, neste caso, a ser recebido por um trabalhador desempregado contratado pela empresa.

Seria uma forma, dizem os autores do relatório, de "minorar custos e potenciar benefícios a todos os intervenientes", possibilitando-se que a mãe continue a receber o ordenado na totalidade, a empresa mantenha um trabalhador a tempo inteiro sem custos adicionais e seja aberta uma oportunidade de trabalho para desempregados. Desta forma, o Estado promoveria a natalidade "com custo baixo, ou mesmo nulo".

Como o afastamento dos pais do local de trabalho pode levar a penalizações, esta comissão defende que a licença parental possa ser partilhada pelos pais. Por exemplo, o pai passa a trabalhar 20 horas por semana e a mãe outras 20.

Propõe-se ainda a criação de condições para reduzir, entre duas a quatro horas, o horário laboral de trabalhadores com filhos até os seis anos de idade, e apoiar a contratação de mulheres grávidas ou com filhos até aos três anos, isentando as empresas do pagamento da Taxa Social Única (TSU).

ATL e “babysitting“
No relatório há ainda uma sugestão para que as empresas distribuam vales sociais, isentos de IRS e TSU, que se destinem ao pagamento das despesas com os filhos, tais como creches e escolas.

E como este é um trabalho que tem de envolver toda a comunidade, a comissão direcciona um capítulo às autarquias e instituições de solidariedade social, apelando a um aumento de oferta de serviços de “babysitting” e estruturas de apoio às famílias durante as férias escolares.

Os ATL devem ser dinamizados em horários desencontrados com os das creches e de preferência ao fim de semana, enquanto o horário das creches deve ser flexível e ter custos mais reduzidos, comparticipados pelo Estado de acordo com a dimensão da família, propõe a comissão.

Defende ainda que a tarifa da água deve ter em conta o agregado familiar, que se dê prioridade nas escolas para os irmãos, evitando escolas distintas, e que devem ser criadas condições vantajosas para a compra dos passes sociais e manuais escolares.

Referindo-se ainda aos manuais, propõe-se uma revisão da validade e durabilidade dos livros e a criação nas próprias escolas de bancos de manuais.

Comparticipação de medicamentos para infertilidade 
Todas as grávidas devem ter médico de família, alerta o relatório pedido por Pedro Passos Coelho.

É necessário alterar a condição de recursos para ter isenção da taxa moderadora e aumentar os apoios em situações de infertilidade, por exemplo, comparticipando a 100% os medicamentos.

O alargamento da idade de tratamentos para infertilidade para os 42 anos na mulher é outra das propostas.

 

in: http://rr.sapo.pt/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:49

Litoral

por Mäyjo, em 10.07.14
Litoral
View more presentations from mekie.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:06

Tempo

por Mäyjo, em 10.07.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:05


Este blog disponibiliza informação com utilidade para quem se interessa por Geografia. Pode também ajudar alunos que por vezes andam por aí desesperados em vésperas de teste, e não só, sem saber o que fazer...

Mais sobre mim

foto do autor


Siga-nos no Facebook

Geografando no Facebook

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D